quinta-feira, 31 de maio de 2012

A ETERNIDADE DO AMOR


Dizem que o amor é eterno enquanto dura
Mas digo se o amor acabou não era amor
Era qualquer outra coisa, posse, apego, desejo,
Mas não era amor

O verdadeiro, aquele que atravessa o tempo e espaço,
Não perde força e sim se sublima atravessando gerações.
Sábio Paulo, o de Tarço, que diz:
“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine”.
Sim Paulo, eu sei o que quis dizer, sem esse amor seria frio, duro,
E transmitiria o som da frieza em minha voz.
O amor é a chama que transforma o bruto em bela peça trabalhada
Pelos cinzéis do Criador.

Sabes quando encontramos aquela pessoa que nos tira o ar
Que te faz sorrir por sorrir e que gostaríamos que estivesse sempre ao nosso lado,
Quando a encontrar, não a prenda em sua gaiola egoística,
Querendo que cante para você;
O amor é pássaro livre como um beija flor
E morre triste quando perde o direito de ser livre.

Ame dando sem esperar receber
Ouça o canto do belo pássaro sem querer sufoca-lo
E ele sempre cantará para seus ouvidos as mais belas canções.
Vivendo a alegria da eternidade do amor.

MARCOS VEDA.

Nenhum comentário: